A legislação canônica da escolha dos bispos no primeiro milênio

  • Reginaldo Roberto Luiz
Palavras-chave: Escolha, Bispo, Consenso, Confirmação e poder temporal.

Resumo

Um dos temas de maior importância na história da Igreja, sem dúvida é a designatio episcoporum, isto é, a escolha dos bispos. Durante o primeiro milênio, é possível encontrar inúmeras fontes que abordam as diversas eclesiologias, formas e sistemas das escolhas episcopais. Desde o contexto do Novo Testamento, passando pelos séculos seguintes, seja em âmbito consuetudinário ou legislativo, dentro e fora da Igreja, nos mostra que a escolha do bispo, era um tema primordial na Igreja e na sociedade. Essa problemática, seja abordada no âmbito dos concílios, dos escritores eclesiásticos, ou até mesmo por meio das determinações por parte do poder temporal, era foco de grande responsabilidade e interesse de imperadores, reis, príncipes, nobres, etc. Por parte da Igreja, houve grande preocupação em abster-se de influencias negativas por parte do poder civil e dos eclesiásticos que não respondiam a uma verdadeira evangelização, como pode-se observar nos textos da patrologia, nas legislações conciliares, etc. Por outro lado, havia o grande interesse do poder temporal nas escolhas episcopais, que lhes garantiriam um grande status, não tendo em um primeiro momento, uma preocupação espiritual, como tal, mas simplesmente com interesses mundanos. Portanto, essa é uma história marcada por tensões, conflitos e de muita instabilidade que sempre esteve presente nas escolhas dos candidatos ao episcopado.

Publicado
2019-12-31
Seção
Artigos